Visite o site completo
Pacotes de viagem
Siga-nos:
publicado por Jéssica Dombrowski Netto
21.12.2017
Compartilhe
6 Destinos para fugir dos dias de mar flat do verão brasileiro
Temporada de verão no Brasil. Praias lotadas, festas, família e amigos reunidos, mas, cadê as ondas? Geralmente, os surfistas têm que se contentar com merrecas, a não ser que optem por aproveitar as férias em surf trips baratas pela América do Sul.

6 Destinos para fugir dos dias de mar flat do verão brasileiro

Listamos 6 destinos com ótimo custo benefício, e surpreendentes para você fugir do mar calmo e encontrar aquela onda na temporada de verão.

1 – Lobitos, no Peru

Onda de La Punta, em Lobitos, no Norte do Peru.

La Punta, em Lobitos, no Peru.

Localizado no extremo norte do Peru, o pico possui duas ondas principais: Lobitos e Piscinas. Além dessas, existem outros spots para fugir do crowd, que são Baterias, El Hueco e La Frontera.

Lobitos: Um point break de esquerda bem longo que começa rente às pedras. Funciona de três a nove pés. De setembro a dezembro, possui ondas tubulares devido a bancada estar mais rasa.

Piscinas: Esquerda com fundo de areia e pedra que possui tubos na segunda seção. Funciona o ano inteiro e é recomendada para surfistas de todos os níveis.

Baterias: Point break de esquerda que funciona o ano todo, necessária a experiência intermediária.

El Hueco: Para quem tem o nível de surf mais avançado, é uma ótima esquerda com um tubo grande, mas cuidado com o fundo de areia e rocha com alguns trechos perigosos.

La Frontera: Definitivamente uma ótima esquerda. Em condições adequadas, é um tubo do começo ao fim. O fundo é de areia e rocha com algumas partes perigosas com pedras pontiagudas, exigindo assim, um surf de nível avançado.

2 – Punta Hermosa, no Peru

surfe onda la isla peru

La Isla, na região de Punta Hermosa, no Sul do Peru.

É conhecido como o paraíso do surf no sul do Peru, e é próximo à Lima. O local recebe ondulações boas durante o ano inteiro para todos os estilos, big riders, tube riders e merrequeiros. São mais de 45 ondas espalhadas pela costa e os principais picos são Caballeros, Señoritas, Punta Rocas, KonTike Pico Alto e La Isla.

A paisagem é desértica com muita areia, algumas pedras e praia. O meio de transporte mais utilizado é o tuk tuk, uma moto/carro.

Punta Rocas: Direitas e esquerdas de quatro a dez pés. Nos dias menores, possui ondas de um metro. No canto direito fica o pico para surfar e uma arquibancada feita para os juízes dos campeonatos de surf.

Kontike: Onda localizada no outside entre La Isla e Punta Rocas, funciona quando swell ultrapassa os seis pés. Esquerdas e direitas.

La Isla: Pico para surfistas com experiência, direitas consistentes e fundo de recife de rocas.

Pico Alto: Considerada a Waimea sul-americana, ondas de quinze a trinta pés.

Caballeros e Señoritas: São praias mais desertas com a areia grossa. A primeira é uma direita e a segunda é uma esquerda rápida e perigosa.

3 – Santa Teresa, na Costa Rica

pessoas na praia e onda quebrando ao fundo no mar

A beleza natural do local permanece intacta. Paisagem paradisíaca e qualidade de restaurantes que existem por lá são as marcas do local. A maioria das pessoas que se mudaram para lá vieram da Europa e das Américas em busca de uma vida mais simples junto a natureza.

Além das ondas que funcionam o ano todo, a terra da “Pura Vida” oferece opções turísticas de mergulho, yoga, velejo, pesca ou passeios à cavalo na praia.

O surf em Santa Teresa é melhor na maré baixa quando as ondas tendem a ser mais rápidas. Possui fundo de areia e rochas planas e a ondulação chega até um metro e meio. É indicado para todos os níveis de surf.

4 – Tamarindo, na Costa Rica

A cidade possui um desenvolvimento avançado com fast foods, lojas, bancos, bares e locadoras de veículos. A vida noturna é famosa na região pelo grande número de turistas.

Nos dias flat, existem praias ao norte perfeitas para mergulho e atrás da Voodoo Lounge há um pequeno bowl para quem curte andar de skate.

Os picos são El Estero, Pico Pequeno e La Islã Capitán.

El Estero: Melhor pico para aprender a surfar já que possui ondas calmas no lado esquerdo. Em dias grandes, a ondulação chega a um metro e meio.

Pico Pequeno: Direita pequena quebrando perto de pedras na praia. Algumas vezes por ano, surge um swell que causam tubos perfeitos.

La Isla Capitán: Pico recomendável para surfistas de ondas grandes nas ondulações de nordeste.

Além disso, a região oferece ondas de alto nível como Playa Negra, Ollies Point e Roca Bruja.

5 – San Cristóbal, em Galápagos

San Cristobal surf Galapagos

O arquipélago de Galápagos é formado por 13 ilhas. O pico mais constante é San Cristóbal e a crowd é quase inexistente.  

Entre novembro e março as ondas vão dos seis aos dez pés. O calor predomina durante o ano todo e os turistas precisam pagar uma taxa de preservação de 50 dólares ao desembarcar no país.

É aconselhável uso de botinhas devido as bancadas de pedras rasas e perigosas e o kit de conserto de pranchas é essencial já que não há surf shops na ilha.

Os principais spots são Punta Carola, uma parede longa direita que chega aos dez pés, Manglecito, uma esquerda perfeita com a companhia de leões marinhos e El Cañon, outra esquerda longa.

6 – Montañita, no Equador

montanita equador surf

Montanita, no Equador.

Considerado um paraíso hippie, famoso pelas ondas e baladas. É frequentada por muitos jovens de diversas partes do mundo.

Tem mais de dez ondas de todos os tipos, para a direita e esquerda, com fundo de pedra e de areia, que chegam até um metro e meio. Em alguns swells, a ondulação pode ser ainda maior, e o crowd é intenso durante o dia inteiro.

Bom, agora não existem mais desculpas para não pegar boas ondas durante o verão. Está esperando o quê?

Viaje conosco

A Welcome Surf Trips é uma agência de viagens especialista em destinos de surfe. Conhecemos pessoalmente os principais destinos de surfe do mundo. Sempre que for viajar, fale conosco. Cuidaremos de todos os detalhes de sua surf trip.

Tenho interesse nessa viagem.
Coloque seu e-mail no campo abaixo e nós entraremos em contato.

Compartilhe:
Texto
Jéssica Dombrowski Netto
Fotos
Fleck/Batuta/Arquivo
Voltar ao topo
Mais histórias:
Simple Follow Buttons
Simple Share Buttons